Lugar de mulher é na liderança

Publicado na Azul Magazine, edução de outubro de 2016.

Imagine um mundo em que as mulheres ocupam a imensa maioria dos cargos de liderança e espaços de poder nas empresas. Imagine que elas recebem salários 30% maiores do que os de seus colegas homens pelo mesmo trabalho. E que os homens têm de responder perguntas pessoais em entrevistas de emprego, como se pretendem ter filhos em breve, por exemplo. Nesse mundo, a grande maioria das referências e dos grandes personagens históricos são mulheres. As revolucionárias, historiadoras, filósofas, inventoras, escritoras e até Deus é representado como uma mulher. Na mídia, o homem é sempre representado como aquele que cuida da casa e dos filhos – ou como um objeto sexual – e as mulheres são vistas como bem sucedidas no trabalho. Se um homem é promovido, as colegas comentam que ele deve ter se envolvido sexualmente com a chefe para conquistar o novo cargo. E eles ouvem piadinhas e insinuações em reuniões de colegas e clientes mulheres. Não seria um mundo cruel? Pois esse é o mundo que as mulheres enfrentam no mercado de trabalho. Para as mulheres negras a situação é ainda mais complexa, porque pesa sobre elas também o racismo e preconceito.  

Exercício semelhante foi proposto pela cineasta francesa Eléonore Pourriat no curta metragem “Majorité Opprimée” (“Maioria Oprimida”) para denunciar o machismo presente em nosso dia a dia. O filme retrata um mundo ao contrário, sexista e dominado por mulheres, em que os homens sofrem assédio, abusos e desrespeito. Claro que não é esse o mundo que queremos, mas serve como reflexão para enxergarmos o quanto nossa sociedade ainda é desigual.

As mulheres são minoria nos cargos de diretoria, ainda que sejam maioria da população e de  formadas nas universidades, segundo dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Em um país onde 51,4% da população é de mulheres, é chocante que nas empresas brasileiras apenas 6% dos cargos em boards executivos sejam ocupados por elas. Isso porque elas têm cada vez mais boa formação, mas encontram muitas portas fechadas para ascender nas empresas.

Eu passei por isso quando entrei na Sciences Po, a mais importante escola de Ciências Políticas da França. Foi uma luta contra minha própria voz, que me dizia que eu não seria capaz, por ser mulher e negra, de conquistar aquele espaço. Mas a verdade é que cada um de nós é capaz, cada um de nós é cheio de talentos, cheio de potenciais enormes que precisam ser revelados. As mulheres são capazes de conquistas incríveis e nossa sociedade precisa dar chances a elas.

Para isso, precisamos mudar a narrativa dos desenhos animados e das novelas, quebrar os clichês e inserir imagens sobre o tipo de sociedade que queremos ver de verdade. Situações que mostram o pai levando as crianças na escola e a mãe tendo uma posição de destaque como, por exemplo, uma juíza no tribunal. Temos que quebrar a hiper sexualização da mulher e a inferioridade velada de que somos inferiores intelectualmente. As mulheres têm poder de compra e decisão sobre a maioria dos produtos que uma família consome, então é ótimo para as corporações que elas estejam representadas em suas equipes. Meu desejo é ver 52% de mulheres nos boards executivos das empresas para termos uma sociedade mais justa. Precisamos sair da formatação da sociedade e dar chances aos talentos de tantas mulheres que podem fazer a diferença nas empresas e nos espaços de decisão e poder.

Alexandra Baldeh Loras é mestrada em Gestão de Mídia pela Sciences Po, influenciadora, empresária, consultora de empresas, autora e palestrante em raça, gênero e diversidade. Trabalha com líderes empresariais para criar um clima mais equilibrado nas organizações, onde a conscientização sobre diversidade de gênero e de raça é tão importante quanto a prosperidade do negócio. Ela escreve um blog sobre dignidade negra www.alexandraloras.com www.facebook.com/alexandrabloras e é ex-consulesa da França em São Paulo.

Alexandra Loras é ex-consulesa da França em SP, empresária, consultora de empresas e autora de livros. Referência em diversidade e empoderamento feminino.

Sobre Alexandra Loras

Alexandra Loras é ex-consulesa da França em SP, empresária, consultora de empresas e autora de livros. Referência em diversidade e empoderamento feminino.

Você também vai gostar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *